O Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) abriu importante precedente ao reconhecer a isenção do IPI na importação de equipamento médico-hospitalar pela Sociedade de Assistência à Maternidade Escola Assis Chateaubriand. A decisão foi tomada de forma unânime na semana passada. 

O posicionamento do órgão vai de encontro ao entendimento da Receita Federal, que afirma que a sociedade de assistência médica não apresentou uma declaração do Ministério da Saúde, necessária para o reconhecimento de que a entidade presta serviços beneficentes sem fins lucrativos.

À época do caso, em 2004, as regras aduaneiras consideravam a declaração do Ministério como uma das condições para a isenção do IPI. Sem o documento, a entidade assinou um Termo de Responsabilidade, se comprometendo a apresentar a declaração em um prazo de 90 dias.

Após o término do período, a sociedade de assistência médica não apresentou o documento solicitado e foi autuada pela Receita Federal. A entidade, então, apresentou um recurso no Carf para que a isenção de IPI fosse reconhecida.

O entendimento do Conselho foi favorável à argumentação da defesa, que alega que fazer a análise e comunicar à administração aduaneira se a entidade tem ou não direito à isenção é competência do Ministério da Saúde. O relator do processo considera que a Declaração de Importação foi feita de maneira adequada, tendo pleiteado a isenção do IPI e que nenhuma outra obrigação lhe é imputada por lei.

No entanto, a Fazenda Nacional ainda pode recorrer da decisão. Segundo os tributaristas, o caso pode abrir precedentes para que outras entidades da área da saúde busquem a isenção do IPI.

Confira o processo na íntegra.

.

Mantenha-se sempre atualizado! Assine nosso newsletter e receba os melhores conteúdos tributários em seu e-mail!