Foi realizado pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) nesta quarta-feira, dia 06 de novembro, o megaleilão do pré-sal. A expectativa do governo e da agência era de arrecadar o valor recorde de R$ 106,5 bilhões, o megaleilão trazia a garantia, segundo a ANP e a Petrobras, de que existem nessa área reservas consideráveis de petróleo prontas para serem exploradas, sem a necessidade de prospecção. A estimativa da ANP é de que existam entre 6 e 15 bilhões de barris nos quatro campos de extração que foram a leilão.  

O leilão é do tipo chamado de “excedente de cessão onerosa” e está relacionado ao início da exploração pela Petrobras nessa área do pré-sal. Em 2010, a estatal recebeu do governo a autorização para explorar até 5 bilhões de barris nas recém-descobertas jazidas.

Descobriu-se depois, no entanto, que os reservatórios podem chegar a três vezes essa quantidade. É esse excedente, que pode chegar a 10 bilhões de barris de petróleo nas contas da ANP, que vai a leilão nesta quarta-feira.

Doze empresas, entre elas a própria Petrobras, disputaram o direito de exploração dos reservatórios.

No final apenas dois dos quatro campos de extração foram arrematados somando uma arrecadação de R$ 69,96 bilhões. A Petrobras levou ambos os campos leiloados com uma única oferta. O campo de Buzios, o maior campo, foi arrematado em consórcio com empresas chinesas, CNODC Brasil (5%) e CNOOC Petroleum (5%). O bloco de Itapu foi arrematado inteiramente pela Petrobras.

Apesar de não atingir as expectativas, o leilão continua sendo considerado um sucesso. Os R$ 69,96 bilhões arrecadados são o maior valor já levantado em um leilão do setor. Segundo o governo o montante deve ser utilizado para acelerar a exploração de petróleo no pré-sal e também será investido em defesa, saúde e educação.